A maconha pode “salvar” o mundo? 

Tempo de leitura: 4 min

Publicado em

Listamos 21 motivos pelos quais a maconha pode ajudar a melhorar o mundo, apesar de não ser capaz de salvar o planeta

É difícil afirmar que a maconha pode salvar o mundo, mas ela, de fato, pode torná-lo muito melhor. O uso medicinal da planta, por exemplo, vem mostrando seu potencial em diferentes países e salvando milhares de vidas, inclusive no Brasil. Já o cultivo para fins industriais do cânhamo, outra variedade da maconha, também se tornou uma alternativa para melhoramento ambiental importante. Por fim, a regulamentação do uso recreativo da maconha pode contribuir para uma sociedade mais justa.  

Veja 21 razões do porquê a regulamentação ampla da maconha, em todos os seus âmbitos (medicinal, industrial e uso adulto), pode melhorar o mundo: 

a maconha pode salvar o mundo
  1. A cannabis tem propriedades medicinais que podem ser usadas para tratar inúmeras condições médicas. Atualmente, os medicamentos à base da planta são uma das poucas alternativas naturais e eficazes para o tratamento de epilepsia refratária, doença de Parkinson, TEA (Transtorno do Espectro Autista), fibromialgia e mais; 
  2. A maioria dos animais vertebrados têm sistema endocanabinoide e sofrem com condições médicas, a maconha medicinal também pode ser usada para tratá-las
  3. Por conta da responsabilidade do sistema endocanabinoide em promover a homeostase, o uso terapêutico da planta pode servir como suplemento, prevenindo de outras doenças, além de auxiliar as funções do corpo a se manter em equilíbrio; 
  4. Em busca de uma vida cada vez mais saudável para todos, a prática esportiva é de extrema importância e a cannabis pode ser uma importante aliada nesse processo, já que também pode ser consumida por atletas como alternativa de melhor desempenho e performance
  5. Para quem busca na cannabis um efeito menos intenso e ainda não faz o tratamento na via oral, as propriedades da maconha podem ser incorporadas em produtos cosméticos, como maquiagens, a fim de tratar ou melhorar condições da pele; 
  6. Com uma população carcerária de mais de 500 mil presos composta principalmente de jovens negros e periféricos ligados a crimes de drogas, a regulamentação da maconha pode evitar mortes, repressões violentas e encarceramentos em massa que ocorrem por conta da guerra às drogas. Além de acabar com vidas, hoje o Estado gasta mais de R$ 5 bilhões ao ano com a guerra às drogas
  7. Um estudo em curso mostra que o uso da maconha pode reduzir os danos a usuários que podem ser afetados pelos riscos do consumo de substâncias não-regulamentadas e controladas; 
  8. Assim como em muitos países que começaram o processo de legalização da maconha, os ganhos econômicos com a legalização poderiam ser revertidos para projetos de reparação social a populações afetadas pelo proibicionismo. Considerando todos os usos regulamentados, seriam arrecadados mais de R$ 8 bilhões de impostos ao ano; 
  9. O cânhamo tem fibras que podem ser usadas como matéria-prima de tecidos sustentáveis para a indústria da moda, já que são atóxicos e antialérgicos, além de sua produção utilizar menos água e energia do que o cultivo de algodão; 
  10. As mesmas fibras podem originar biocombustíveis, que podem ser usados em carros, caminhões e aviões, que são grandes responsáveis pelo aquecimento global; 
  11. O setor da construção civil também seria beneficiado pelas fibras de cânhamo, que podem originar o hempcrete, uma alternativa atóxica, sustentável e resistente ao concreto; 
  12. Em um mundo que precisa buscar alternativas mais sustentáveis às tradicionais, as fibras podem constituir as fibras de vidro, servindo como um material tão resistente quanto, mas mais sustentável; 
  13. As sementes de cânhamo podem ser aproveitadas em dietas veganas ou vegetarianas, pois são capazes de produzir leite ou carne vegetal;
  14. As mesmas sementes têm proteína e outros nutrientes importantes para a saúde, podendo servir como complemento de refeições e até suplemento; 
  15. Elas ainda podem gerar óleo de semente de cânhamo, que pode ser utilizado para substituir ou complementar óleos em cosméticos, por exemplo, e também oferecer boas propriedades à pele e ao cabelo; 
  16. O farelo de cânhamo pode alimentar animais, podendo servir de complemento ou substituto da soja e do milho, sendo que seu processo de produção é muito mais sustentável do que os vistos atualmente;  
  17. O plantio de cânhamo é capaz de restaurar solos contaminados com metais pesados e venenos; 
  18. As raízes do cânhamo, quando cultivado, também podem estabilizar o solo para controle de erosão; 
  19. O cultivo de cânhamo tem grande capacidade de sequestro de carbono, ou seja, consegue retirar da atmosfera a principal substância que tem afetado o aquecimento global; 
  20. O cultivo irregular de cannabis, como acontece em países sem regulamentação, normalmente ocorre em áreas de desmatamento ilegal, provocando sérias consequências para a fauna e flora do local; 
  21. A regulamentação poderia gerar milhares de empregos em diferentes áreas que tocam direta ou indiretamente a planta, além de movimentar R$ 26,1 bilhões de reais ao ano, gerando tributos significativos para o país. 

É importante ressaltar que hoje já existe um mercado da cannabis no país, porque o uso medicinal já é regulamentado desde 2015, ao mesmo tempo que prevê que os pacientes que desejam se beneficiar do tratamento devem fazer a importação do produto com cannabis, o que acaba deixando um dinheiro importante em nações como Estados Unidos e Canadá, sendo que poderia ficar no país. Além disso, mais de 16 milhões de brasileiros já fizeram o consumo da cannabis para fins recreativos, que, apesar de não ser regulamentado no país, é uma realidade.  

É fato que existem muitos outros fatores importantes a serem levados em consideração para causar uma verdadeira mudança global, tanto em relação à saúde, ao âmbito social e ambiental, mas enxergar a cannabis como uma oportunidade poderia ser o começo, ainda mais quando é uma planta que tem uma relação ancestral com a humanidade. Muitos países já deram passos à frente para incorporar a maconha em suas regulamentações e políticas, mas ainda é preciso conscientizar pessoas que não têm o conhecimento amplo sobre a planta e lutar por ter esses benefícios reconhecidos por governos ao redor do mundo. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Não perca nossos conteúdos!

Se inscrevendo em nossa newsletter você fica sabendo de todas as novidades que rolam por aqui e recebe nossos relatórios e promoções em primeira mão!