A origem da palavra maconha e dos termos em referência à cannabis

Escrito por

Escrito por

Lara Santos

Tempo de leitura: 3 min

Publicado em

São muitas as formas para se referir à cannabis, sendo cada uma delas com origens e significados diferentes que têm relação com acontecimentos históricos

“Cannabis”, “maconha”, “ganja”, “liamba”, “marijuana”, “cânhamo”… são inúmeras as palavras utilizadas para se referir à espécie da Cannabis sativa L. Todas elas têm uma origem por trás, ainda que algumas sejam mais conhecidas do que outras, e muitas ressoam de forma importante na percepção social sobre a planta. 

A escolha de palavras para tratar sobre certos assuntos não é uma mera coincidência; a linguagem é estabelecida de acordo com acontecimentos históricos e, por isso, muitas vezes, podem se basear em discriminações e disseminar esses preconceitos. É o caso da diferença entre os termos maconha e cannabis.

Diferenças entre “maconha”, “cannabis” e “cânhamo”

origem palavra maconha
origem palavra maconha

“Maconha” tem sua origem numa das línguas angolanas, o quimbundo, que era muito falada entre os escravizados – a palavra “ma’kaña”, com som “makanha”, significa “erva santa”. Já “cannabis”, em latim, vem do grego “kánnabis” e é originária de línguas mais primárias da Antiguidade, como os citas (povos nômades da Eurásia) ou os trácios (população que habitava partes do leste e sudeste europeu).

Ambas as palavras, no entanto, têm o mesmo significado e não devem ser diferenciadas. Maconha e cannabis são a mesma subespécie da Cannabis sativa L. que tem fitocanabinoides psicoativos e psicotrópicos, como o CBDTHCCBNTHCACBG etc., e é utilizada para fins medicinais e uso adulto. A maconha, portanto, vem da planta Cannabis sativa L. e não é “folha de maconheira” – essa nomenclatura, inclusive, é inexistente. 

Além dessa origem da “maconha”, há uma outra hipótese de que ela é um anagrama – combinação das letras da palavra-matriz – do termo “cânhamo”, a fim de evitar repressão para os usuários. “Cânhamo” diz respeito a uma outra subespécie da Cannabis sativa L., mas que tem características físicas e químicas diferentes, além de ser voltada para fins industriais, como a fabricação de tecidosalimentoscosméticos e muitas outras matérias-primas. O cânhamo contém quantidades que podem variar de 0,2% a 2% de THC, as quais são insignificantes para causar efeitos psicotrópicos. 

Origem da palavra Haxixe

Já a origem da palavra “haxixe” ou “hash”, uma resina extraída das folhas da cannabis e que contém altos níveis de THC, é árabe e significa erva seca. Há diversas formas de fazer o haxixe, como a seco, com álcool, as mãos, gás butano etc., e, assim como a maconha, também tem diferentes tipos, sendo eles afegão, libanês, marroquino, nepalês e mais. 

O “hash”, como é chamado esse tipo de extração, é muito comum entre usuários de uso adulto e também tem sido adaptado por modelos de negócios que investem em produtos para consumo terapêutico, pois oferece uma série de vantagens medicinais por ser capaz de entregar altos teores de fitocanabinoides, canaflavinas e terpenos

Como a maconha chegou ao Brasil e quais as nomenclaturas mais usadas?

Registros fósseis encontrados apontam que a planta da maconha tem origem no Planalto do Tibete, na Ásia Central. No Brasil, o cânhamo foi trazido por meio das navegações portuguesas, que utilizavam essa matéria-prima em suas velas e caravelas, e a a cannabis chegou a partir dos negros escravizados que a utilizavam como parte de rituais religiosos, sendo, inclusive, chamada de “fumo d’angola”.   

Desde então, o uso e a palavra “maconha” se referiam diretamente à população negra e pobre como algo pejorativo, e isso se mantém até hoje. Testemunha-se isso principalmente na imprensa, que trata com frequência os assuntos de tráfico de drogas e violência a partir da palavra angolana “maconha”, associando-a a algo negativo. Por outro lado, o termo europeu “cannabis” é colocado em texto quando são abordados temas voltados à saúde e negócios, relacionados a um teor positivo. O primeiro relatório da Kaya Mind, “Cannabis na Imprensa”, mostra esses dois fatos a partir de dados coletados ao longo de três anos sobre a mídia nacional.

Alguns termos “brasileiros” para maconha são:

  • Diamba;
  • Baseado;
  • Erva;
  • Chá;
  • Ganja;
  • Fumo;
  • Beck;
  • Manga Rosa;
  • Marafa;
  • Pito de pango;

E muitos outros!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

copa do mundo e cannabis
Lara Santos

Copa do Mundo e cannabis  

Em 2022, o evento acontece em um país com regras rígidas sobre o uso de cannabis. Entenda como as seleções favoritas se posicionam a respeito da planta e como os atletas poderiam se beneficiar se o uso de CBD fosse permitido

Leia mais

Não perca nossos conteúdos!

Se inscrevendo em nossa newsletter você fica sabendo de todas as novidades que rolam por aqui e recebe nossos relatórios e promoções em primeira mão!