Fitocanabinoides da cannabis: CBDA

Tempo de leitura: 2 min

Publicado em

Precursor do CBD, o CBDA tem potenciais terapêuticos anti-inflamatórios, antieméticos e anticonvulsivos. Os estudos a seu respeito ainda são preliminares, mas promissores

O potencial medicinal, terapêutico e psicotrópico da cannabis é consequência dos princípios ativos que a compõem. Há terpenos, canaflavinas e fitocanabinoides na planta, sendo os fitocanabinoides as propriedades mais conhecidas e disseminadas desses grupos. Existem mais de 100 fitocanabinoides encontrados na maconha e, até hoje, a quantidade correta ainda é pesquisada. São dois deles, no entanto, que lideram os estudos a respeito da planta: o THC e o CBD. Um tratado como vilão e o outro milagroso, ainda que erroneamente, mas muitos outros fitocanabinoides também oferecem benefícios medicinais. Por isso, a Kaya Mind publicará uma série de textos sobre alguns dos fitocanabinoides da cannabis. Neste material, será explorado um fitocanabinoide que age de forma diferente no organismo: o CBDA.

O que é o CBDA

Assim como o THCA, o CBDA ou ácido canabidiólico é presente na cannabis em sua forma crua, ou seja, caso a planta seja exposta ao calor ou à luz ultravioleta, se torna outro fitocanabinoide: o popular CBD. Isso significa que o CBDA é o precursor do CBD e sua origem é o CBGA, o mesmo que do THCA e CBCA. 

Como extrair o CBDA

CBDA o que é

Por ser encontrado apenas na cannabis crua, isso significa que a maneira de se beneficiar das propriedades terapêuticas do CBDA é sem consumir uma planta ou produto que tenha passado pelo processo de descarboxilação. Esse fitocanabinoide é comumente encontrado para consumo em cápsulas, tinturas e produtos tópicos, mas muitas pessoas buscam seus benefícios ao fazer suco com a cannabis crua.

O CBDA começou a ser analisado por mais de uma década, o que significa que as pesquisas a seu respeito ainda são muito preliminares. Os estudos mostram que, enquanto a maioria dos fitocanabinoides é associado diretamente aos receptores canabinoides, CB1 e CB2, o CBDA interage com o sistema endocanabinoide ao inibir a enzima ciclo-oxigenase-2 (COX-2), que causa inflamações depois de uma infecção ou lesão. Por isso, o CBDA é definido como um agente anti-inflamatório.

Além disso, o CBDA tem uma afinidade potente com os receptores 5-HT da serotonina, neurotransmissor responsável pelas mensagens entre neurônios e, portanto, regulador de diversas funções corporais, como do ritmo cardíaco, sono, apetite, humor, da memória e temperatura do corpo. Cientistas relatam, inclusive, que essa ligação pode ser até 100 vezes maior do que a do CBD. 

Dessa forma, ao afetar a produção de serotonina, o CBDA tem potencial para atenuar náuseas, tornando-se um medicamento importante para pacientes com câncer em tratamento quimioterápico, bem como para controlar convulsões. Estar associado à serotonina também significa que pode ter efeitos positivos para tratar depressão, mas ainda faltam estudos mais consistentes – todos, até a publicação deste texto, foram feitos em não-humanos. Ainda assim, o FDA (Food and Drug Administration), agência reguladora dos Estados Unidos, já incentivou mais pesquisas a respeito do fitocanabinoide. 

Na última semana, o fitocanabinoide abordado foi o THCA. Nas próximas, será possível acompanhar o lançamento de outros textos que contemplem outros princípios ativos da cannabis.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Não perca nossos conteúdos!

Se inscrevendo em nossa newsletter você fica sabendo de todas as novidades que rolam por aqui e recebe nossos relatórios e promoções em primeira mão!