Uso da maconha na adolescência

Tempo de leitura: 2 min

Publicado em

O consumo da cannabis para adolescentes pode ser prejudicial e, sem uma regulamentação adequada, esse risco é maior ainda

Uma das principais consequências do proibicionismo é o desconhecimento que se cria em torno das substâncias psicoativas, resultando em usos inapropriados. Com a cannabis, ainda que ofereça riscos menores do que outras, não é diferente. O consumo da planta pode ser prejudicial a alguns grupos de pessoas, principalmente os jovens, e a falta de uma regulamentação não ajuda na conscientização a respeito desse assunto.

Os riscos do uso da maconha na adolescência

maconha na adolescência

Diferente do que é disseminado pela mídia, a maconha não mata neurônios. O uso precoce, na verdade, pode oferecer um risco cognitivo ao cérebro por conta da combinação da planta com algumas características dos adolescentes, afinal, ocorrem importantes mudanças físicas e psicológicas na adolescência. Segundo o neurocientista Sidarta Ribeiro, nesse período ocorre uma criação intensa de neurônios e sinapses, mais do que em adultos e idosos, e, ao mesmo tempo, a cannabis promove ainda mais essa neurogênese e sinaptogênese. 

O excesso de neurônios e sinapses, portanto, pode ser deletério, ou seja, prejudicial à saúde. Como os jovens têm um repertório muito cru, um grande aumento de criatividade repentino pode atrapalhar em vez de ser construtivo. Os adolescentes precisam de consistência, e por mais que a maioria dos fitocanabinoides ajude nisso, o THC, responsável pelos efeitos psicotrópicos procurados no uso adulto da cannabis e também por diversos benefícios medicinais, ajuda a desorganizar a atividade neural. 

→ Se quiser conhecer mais sobre o cenário atual do mercado de cannabis para fins medicinais no Brasil, confira o último relatório da Kaya Mind.

Isso não quer dizer, no entanto, que o THC é um vilão e que todas as pessoas que fizerem uso de maconha na adolescência sentirão consequências negativas em relação à sua atividade neural. Mas é fato que elas estarão expostas ao risco, ainda mais se o consumo for abusivo. “Em vários estudos, foi possível perceber a síndrome amotivacional ligada ao consumo abusivo precoce de cannabis em adolescentes”, afirmou Sidarta Ribeiro, em entrevista à Kaya Mind publicada anteriormente. 

Mudanças que podem evitar o uso de maconha na adolescência

É muito importante abandonar o preconceito e disseminar informações sérias a respeito da planta para que os grupos de risco possam se proteger de forma correta e que a maconha seja utilizada em todo seu potencial, tanto como medicamento quanto para fins recreativos. Essa é uma realidade já vista em muitos países, como no Uruguai e no Canadá, e não só teve vantagens econômicas como para a saúde pública também. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Não perca nossos conteúdos!

Se inscrevendo em nossa newsletter você fica sabendo de todas as novidades que rolam por aqui e recebe nossos relatórios e promoções em primeira mão!