Transtorno Bipolar: Entenda o que é e quais são os tratamentos 

Tempo de leitura: 6 min

Publicado em

O distúrbio caracterizado pela variação intensa de humor é repleto de facetas, sintomas e as investigações sobre o tratamento adequado continuam em andamento.

O transtorno bipolar, de acordo com o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5), é um distúrbio do humor caracterizado por episódios alternados de mania ou hipomania e depressão. É uma condição crônica e recorrente que afeta o humor, o pensamento, o comportamento e a funcionalidade do indivíduo. A principal característica que descreve essa condição são as oscilações nítidas de humor, que são subdivididas em duas categorias: 

Episódio Maníaco 

É caracterizado por um período distintivo e anormalmente elevado, expansivo ou irritável de humor, acompanhado por aumento da atividade ou energia. Durante o episódio maníaco, o indivíduo pode apresentar três (ou mais) dos seguintes sintomas (quatro se o humor é apenas irritável): 

Transtorno bipolar
  • Autoestima inflada ou grandiosidade 
  • Diminuição da necessidade de sono 
  • Fala excessiva 
  • Fuga de ideias ou sensação de que os pensamentos estão acelerados 
  • Distratibilidade (dificuldade em manter o foco
  • Aumento da atividade direcionada a objetivos (socialmente, no trabalho ou sexualmente) 
  • Envolvimento excessivo em atividades prazerosas, com potencial para consequências dolorosas 

Episódio Depressivo 

Caracteriza-se por um período prolongado de humor deprimido ou perda de interesse ou prazer em quase todas as atividades. Durante o episódio depressivo maior, o indivíduo pode apresentar cinco (ou mais) dos seguintes sintomas durante um período de duas semanas, representando uma mudança do funcionamento anterior. Pelo menos um dos sintomas é humor deprimido ou perda de interesse ou prazer: 

  • Humor deprimido na maior parte do dia, quase todos os dias 
  • Diminuição do interesse ou prazer em todas ou quase todas as atividades 
  • Alterações no peso ou no apetite 
  • Insônia ou hipersonia 
  • Agitação ou retardo psicomotor 
  • Fadiga ou perda de energia 
  • Sentimentos de inutilidade ou culpa excessiva 
  • Dificuldade de concentração ou indecisão 
  • Pensamentos de morte, ideação suicida ou tentativa de suicídio 

O transtorno bipolar possui duas subdivisões: o Transtorno Bipolar I e Transtorno Bipolar II:  

No Transtorno Bipolar I, o indivíduo apresenta pelo menos um episódio maníaco, que pode ser precedido ou seguido por episódios hipomaníacos ou depressivos maiores. No Transtorno Bipolar II, o indivíduo apresenta pelo menos um episódio depressivo maior e pelo menos um episódio hipomaníaco, mas nunca um episódio maníaco. 

  • Hipomania: É um estado menos grave de mania, caracterizado por sintomas semelhantes aos da mania, mas de menor intensidade. Durante o episódio hipomaníaco, o funcionamento do indivíduo não é significativamente prejudicado e não há sintomas psicóticos. 
  • Ciclagem Rápida: É definida como a ocorrência de quatro ou mais episódios afetivos (maníacos, hipomaníacos ou depressivos) em um período de 12 meses. A ciclagem rápida pode ocorrer em qualquer tipo de transtorno bipolar. 
  • Outros Espectros e Especificadores: O DSM-5 também reconhece outros espectros e especificadores do transtorno bipolar, como o transtorno ciclotímico (um padrão crônico de flutuações de humor hipomaníacas e depressivas de baixa intensidade), o transtorno bipolar devido a outra condição médica, transtorno bipolar induzido por substância, entre outros. 

O diagnóstico do transtorno bipolar é baseado na avaliação clínica detalhada dos sintomas e na história do paciente, e geralmente envolve uma avaliação psiquiátrica completa. O tratamento pode incluir medicação estabilizadora do humor, psicoterapia, apoio psicossocial e modificação do estilo de vida. O acompanhamento regular com um profissional de saúde mental é fundamental para o manejo eficaz dessa condição complexa. 

As causas específicas do transtorno bipolar não são completamente compreendidas, mas há evidências de que uma combinação de fatores genéticos, biológicos, ambientais e psicossociais desempenham um papel no desenvolvimento dessa condição. Aqui estão alguns dos principais fatores que podem contribuir para o transtorno bipolar: 

  • Genética: Estudos familiares e de gêmeos sugerem que a predisposição genética desempenha um papel importante no desenvolvimento do transtorno bipolar. Indivíduos com parentes de primeiro grau afetados pelo transtorno bipolar têm um risco aumentado de desenvolver a condição. 
  • Neurobiologia: Anormalidades no funcionamento cerebral, incluindo desequilíbrios em neurotransmissores (como dopamina, serotonina e noradrenalina) e mudanças na estrutura e função do cérebro, têm sido associadas ao transtorno bipolar. Por exemplo, alterações na atividade do córtex pré-frontal, do sistema límbico e de outras regiões cerebrais estão implicadas na regulação do humor e no processamento emocional. 
  • Fatores Ambientais e Estressores: Eventos estressantes da vida, como perda de entes queridos, problemas financeiros, problemas de relacionamento e eventos traumáticos, podem desencadear episódios de mania, hipomania ou depressão em pessoas predispostas ao transtorno bipolar. O estresse crônico também pode desempenhar um papel na progressão e gravidade da condição. 
  • Abuso de Substâncias: O uso indevido de substâncias, como álcool e drogas ilícitas, pode desencadear ou piorar os sintomas do transtorno bipolar. Além disso, algumas substâncias psicoativas têm o potencial de induzir estados de humor extremos, exacerbando os ciclos de mania e depressão. 
  • Fatores Psicossociais: Experiências de vida, como traumas na infância, abuso emocional ou físico, negligência, instabilidade familiar e estigma social, podem influenciar o desenvolvimento e curso do transtorno bipolar. Fatores psicossociais também podem afetar a adesão ao tratamento e a qualidade de vida dos indivíduos afetados. 

É importante ressaltar que o transtorno bipolar é uma condição complexa e multifacetada, e a interação entre múltiplos fatores pode contribuir para sua manifestação. O diagnóstico preciso e o tratamento adequado, geralmente envolvendo uma abordagem multidisciplinar, são essenciais para ajudar os indivíduos a gerenciar os sintomas e melhorar sua qualidade de vida. 

Qual o tratamento do transtorno bipolar? 

O tratamento do transtorno bipolar é geralmente baseado em uma abordagem multidisciplinar que combina intervenções farmacológicas, psicoterapia e estratégias de estilo de vida. Aqui estão os principais componentes do tratamento: 

Medicamentos Estabilizadores de Humor: Não existe um medicamento único para o tratamento de todos os pacientes com transtorno bipolar.  

Tratamento para bipolaridade

A seleção e o uso de medicamentos para esse tratamento podem ser desafiadores devido aos potenciais efeitos adversos dos medicamentos, às interações medicamentosas comuns e à falta de eficácia universal de qualquer medicamento. A abordagem na escolha dos medicamentos deve ser guiada pela eficácia e tolerabilidade prévias do paciente. Na ausência de experiência anterior ou em casos de história desconhecida, a seleção é baseada na avaliação da história clínica do paciente em relação aos efeitos adversos específicos dos estabilizadores de humor, juntamente com a gravidade dos sintomas apresentados. 

Os medicamentos estabilizadores de humor, como o lítio, o ácido valproico (divalproato), a carbamazepina e a lamotrigina, são frequentemente prescritos como tratamento de primeira linha para o transtorno bipolar. Esses medicamentos ajudam a estabilizar os episódios de humor, prevenir recaídas e reduzir a frequência e gravidade dos sintomas. O lítio é costuma ser uma prescrição comum na prevenção de episódios de mania e depressão. 

  • Antipsicóticos Atípicos: Dependendo da gravidade dos sintomas e do histórico clínico do paciente, alguns antipsicóticos atípicos, como a olanzapina, a quetiapina, o risperidona e o aripiprazol, podem ser usados sozinhos ou em combinação com estabilizadores de humor para controlar os sintomas do transtorno bipolar, especialmente durante episódios de mania ou hipomania. 
  • Antidepressivos: Em alguns casos, antidepressivos podem ser prescritos para tratar episódios de depressão no transtorno bipolar. No entanto, seu uso deve ser cuidadosamente monitorado, pois pode desencadear ciclos de humor ou causar mudanças rápidas no estado de humor, especialmente em pessoas com histórico de ciclagem rápida. 
  • Psicoterapia: A terapia cognitivo-comportamental (TCC) e a estratégias de psicoeducação são abordagens indispensáveis no tratamento do transtorno bipolar. A TCC pode ajudar os pacientes a identificar e modificar padrões de pensamento negativos e comportamentos disfuncionais, e se concentra na melhoria dos relacionamentos interpessoais e na resolução de conflitos. A psicoeducação envolve o fornecimento de informações sobre o transtorno bipolar, suas causas, sintomas, tratamento e estratégias de auto-gerenciamento. 
  • Monitoramento Regular e Aderência ao Tratamento: É crucial que os pacientes com transtorno bipolar sejam monitorados regularmente por um profissional de saúde mental para avaliar a eficácia do tratamento, monitorar efeitos colaterais, prevenir recaídas e ajustar a medicação conforme necessário. A aderência ao tratamento também é fundamental para o sucesso a longo prazo no gerenciamento da condição. 
  • Gerenciamento do Estresse e Estilo de Vida Saudável: Estratégias de manejo do estresse, como técnicas de relaxamento, meditação, exercício físico regular, sono adequado e alimentação saudável, são componentes importantes do tratamento do transtorno bipolar. Manter um estilo de vida equilibrado pode ajudar a estabilizar o humor, melhorar o bem-estar geral e reduzir a probabilidade de episódios de mania ou depressão. 

Como a cannabis pode ajudar em casos de Transtorno Bipolar? 

O transtorno bipolar é uma condição complexa e seu tratamento envolve múltiplos cuidados. Devido a dificuldade de encontrar tratamentos que sejam eficazes para todos os pacientes que enfrentam o distúrbio, e da quantidade expressiva de efeitos colaterais atribuída aos psicofármacos convencionais, novas alternativas estão sendo exploradas. 

A cannabis, por conter múltiplas propriedades terapêuticas resultantes de seus fitocanabinoides, tem sido uma opção explorada pelos cientistas, mas os resultados ainda não são conclusivos. Entretanto, o nosso corpo conta com um conjunto de estruturas chamado de sistema endocanabinóide. Esse sistema possui receptores canabinoides, ou seja, elementos encontrados no nosso organismo, preparados para receber os compostos da cannabis e promover a homeostase, que resumidamente consiste no equilíbrio de funções que podem estar desreguladas. 

Bipolaridade e cannabis

Diante dessa capacidade, hipotetiza-se que os compostos da cannabis podem ser eficazes no manejo do transtorno bipolar. No entanto, os estudos sobre a condição e a eficácia desse tratamento, ainda estão em estágios preliminares e mais evidencias são necessárias para confirmar essas hipóteses. 

Esperamos que a ciência continue prosperando e os investimentos no uso medicinal da cannabis avancem, para que pacientes que enfrentam transtorno bipolar possam se beneficiar das propriedades da planta.  

Se você enfrenta questões de saúde mental, não deixe de se preocupar com a sua qualidade de vida. A Kaya Mind conta uma equipe de profissionais experientes no tratamento com os derivados da cannabis e podem avaliar o seu caso e tirar as suas dúvidas.

Subscribe
Notify of
guest

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Não perca nossos conteúdos!

Se inscrevendo em nossa newsletter você fica sabendo de todas as novidades que rolam por aqui e recebe nossos relatórios e promoções em primeira mão!


    0
    Nós adoraríamos saber sua opinião, deixe seu comentário!x