Como a legalização de cannabis impactou os países regulamentados 

Tempo de leitura: 4 min

Publicado em

Muitos países já regulamentaram diversos usos da cannabis e pode-se ver consequências positivas e negativas dessas liberações; entenda quais foram elas
impactos da legalização

Muito se questiona a respeito das consequências da legalização da cannabis – sejam elas positivas ou negativas. Os países que tomaram medidas a respeito da regulamentação da planta em algum nível o fizeram para que a economia fosse movimentada, os problemas com o tráfico diminuídos e as questões sociais em torno da cannabis melhoradas, e muitos viram esses resultados se concretizando. No entanto, muitos veículos de imprensa e algumas autoridades já interpretaram alguns impactos da legalização da cannabis de forma negativa.  

A seguir, veja alguns países que fizeram mudanças em suas regulamentações a respeito da planta e perceberam consequências diretas relacionadas a essas deliberações: 

Uruguai 

O Uruguai foi o primeiro país do mundo a regulamentar a cannabis em todos os níveis (medicinal, industrial e uso adulto) em 2013. Por isso, como é o país com a legislação mais antiga, suas consequências são um modelo importante para as outras nações. 

O país sul-americano tomou essa decisão voltada contra o narcotráfico, mas foram muitos desafios que encontrou pelo caminho – principalmente por ser o primeiro e único do mundo a legalizar o mercado da cannabis. Por outro lado, também viu muitas conquistas. 

Impactos positivos da legalização

  • Diminuição do estigmam em torno da maconha; 
  • Maior aceitação da planta entre as pessoas (em 2020, 61% da população era a favor); 
  • Mais de US$ 20 milhões movimentados pelo comércio da cannabis; 
  • Surgimento de uma indústria exportadora de maconha para países como EUA, Suíça, Alemanha, Portugal, Israel, Argentina e Brasil; 
  • Diminuição do tráfico relacionado à maconha.  

Impactos negativos legalização

  • Com uma regulamentação de uso adulto ainda restrita, em que a cannabis nas farmácias é pouco potente, não há lugar nos clubes de maconha, é preciso se cadastrar e não se pode pagar as plantas no cartão, 70% dos consumidores ainda recorre ao mercado ilegal. 
  • Críticos relacionaram o aumento de homicídios no país entre 2017 e 2018 (igual a 35%) com a regulamentação da maconha, mas especialistas já discordaram e afirmaram que usuários compram os produtos de forma pacífica e que a cocaína e a pasta base são as principais drogas envolvidas nas disputas entre as quadrilhas.  

Canadá  

O Canadá foi o primeiro país desenvolvido a legalizar o uso recreativo de maconha, em 2018, e tinha como principais objetivos: manter a cannabis fora das mãos dos jovens, manter o lucro fora do bolso dos criminosos e proteger a saúde pública e a segurança. Desde então, se tornou uma potência no mercado legal da cannabis, onde muitas das maiores empresas da indústria se concentram. Veja quais foram os avanços e os possíveis retrocessos depois dessa decisão: 

Impactos positivos da legalização

  • Cidadãos com antecedentes criminais por porte de maconha foram perdoados e sem custo, diminuindo a taxa de encarceramento; 
  • Em 2020, o consumo entre jovens de 15-17 anos diminuiu para 10,4% (antes da legalização, a taxa era de 19,8%); 
  • Média de idade das pessoas que começaram a usar cannabis aumentou de 19,2 anos para 20 anos; 
  • Em 2020, por volta de 68% da população que consumiu cannabis compraram de fonte legal; 
  • Setor da cannabis gerou mais de US$ 15 bilhões em receita tributária direta e indireta para o governo canadense, segundo relatório da Deloitte
  • De 2018 a 2021, a indústria da cannabis movimentou US$ 43,5 bilhões para a economia do país; 
  • Mais de 151 mil empregos foram criados com a legalização. 

Impactos negativos da legalização

  • Apesar dos empregos criados, a maioria dos cargos de diretor e executivo de empresas da cannabis no país é ocupada por homens brancos (o total de 73%); 
  • Uma das preocupações do governo em relação à saúde pública, é que, entre 2018 e 2021, houve um aumento de 20% de consumo de cannabis. 

Brasil 

O Brasil não tem uma regulamentação ampla da cannabis como os últimos dois países mencionados, mas a liberação do uso medicinal da planta, mesmo que via importação, poucos produtos disponíveis nas farmácias e associações, já impactou positivamente o país em muitos aspectos, principalmente no quesito de saúde pública e movimentação econômica.  

Impactos positivos da legalização

  • Segundo dados da Kaya Mind, mais de 180 mil brasileiros já são pacientes medicinais e realizam tratamentos à base da cannabis; 
  • Foram movimentados por volta de R$ 144,3 milhões em 2021, mesmo com uma regulamentação restrita, e a previsão para 2022 é de R$ 363,9 milhões; 
  • Mais de 80 empresas com CNPJ aberto atuam com cannabis no Brasil, número que pode ser muito maior já que o mercado é atraente. 

Impactos negativos da legalização

Ainda não é possível mensurar os pontos negativos da regulamentação, pois ela é muito restrita. As únicas consequências prejudiciais ao país são por conta dessa restrição, já que, com acesso limitado aos produtos de cannabis, a população ainda recorre ao mercado ilegal, não pode receber o tratamento que necessita e os ganhos econômicos são muito abaixo de seu verdadeiro potencial. A Kaya Mind fez uma projeção de mercado em que se estimava R$ 26,1 bilhões movimentados com uma regulamentação ampla do uso medicinal, adulto e industrial. 

Existem diversos outros países que já regulamentaram alguns usos da cannabis e perceberam mudanças importantes, como Portugal, Colômbia, Argentina, Espanha, Holanda, Tailândia, Israel, diversos estados dos EUA e mais. Essa é uma tendência global que deve transformar a relação e percepção da sociedade com as drogas, bem como trazer benefícios inimagináveis para a saúde pública, o meio ambiente, a economia, as questões sociais e de direitos humanos.  

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Não perca nossos conteúdos!

Se inscrevendo em nossa newsletter você fica sabendo de todas as novidades que rolam por aqui e recebe nossos relatórios e promoções em primeira mão!