Associações de cannabis medicinal no Brasil: conheça a Abrace, Apepi e muitas outras

Tempo de leitura: 5 minutos

Desde 2014, a sociedade brasileira se organiza para formar associações a fim de democratizar o acesso aos remédios à base de cannabis e disseminar conhecimento sobre a planta

Em 2014, um caso foi capaz de mudar o curso da história da maconha no Brasil: a família de uma menina de 5 anos de idade com epilepsia refratária, chamada Anny Fischer, reconheceu os benefícios do uso medicinal da cannabis e lutou na justiça para conseguir importar o óleo derivado da planta, com sucesso. Isso fez com que outros pacientes buscassem informações sobre as vantagens terapêuticas da cannabis e, então, desejassem ter acesso a esses medicamentos para tratar suas condições médicas. Assim, famílias e os próprios pacientes começaram a criar associações de cannabis, que serviriam para ampliar o acesso e conhecimento sobre os tratamentos à base de maconha medicinal no país.

A dedicação e pressão dessas famílias, pacientes e associações, inclusive, foi imprescindível para que a Anvisa publicasse RDCs (Resoluções de Diretoria Colegiada)  para permitir o uso medicinal da cannabis no Brasil. Desde então, pacientes com condições médicas que podem ser tratadas à base da planta podem importar ou comprar os derivados disponíveis nas farmácias, sob receita médica e aprovação da agência reguladora.  Quer saber como se tornar um paciente medicinal? Confira aqui o passo a passo. Os pacientes com menos condições financeiras para arcar com esses custos, no entanto, procuram associações para encontrar um tratamento mais acessível, bem como têm a opção de impetrar um habeas corpus para auto cultivo e produzir os próprios medicamentos, o que não é um procedimento simples.

Linha do tempo - EVOLUção dA CANNABIS MEDICINAL BRASILEIRA

Qual a função das associações de cannabis no Brasil?

As associações têm como principal objetivo disseminar conhecimento sobre o uso medicinal da cannabis, a fim de atingir pacientes que a necessitam para tratar suas condições médicas, bem como para levar os produtos à base da planta para aqueles que não têm condições financeiras suficientes para arcar com os custos de um tratamento importado e mantiveram a ideia de disseminar os conhecimentos sobre esse uso. associações, inclusive, conseguiram liminares na justiça para cultivar a maconha para fins medicinais e democratizar o acesso aos remédios derivados da planta.

Em 2021, surgiu a FACT (Federação das Associações de Cannabis Terapêutica), que engloba um grupo de associações a fim de organizar o movimento a favor da maconha para uso medicinal e lutar por uma regulamentação justa e inclusiva a respeito da planta. Segundo a Federação, há mais de 40 mil  pacientes associados a essas instituições que estão espalhadas por todas as regiões do Brasil. 

 

Quantas associações de cannabis existem no Brasil?

Segundo o mapeamento da Kaya Mind, existem mais de 80 associações de cannabis no Brasil, espalhadas por diversos estados do país. Esse número, no entanto, não é o total absoluto de associações existentes, mas, sim, aquelas que foram possíveis de mapear até então 

associações de cannabis medicinal

De acordo com os dados, a maioria delas está localizada em São Paulo, seguido de Rio de Janeiro, Paraná, e Bahia, Minas Gerais e Pernambuco na mesma posição. Veja algumas das associações mais importantes do mercado:

AMA+ME

Foi a primeira associação de cannabis a surgir no Brasil. A AMA+ME visa facilitar o acesso a produtos derivados dessa planta e conscientizar a sociedade sobre seus benefícios, assim, oferece orientações sobre a regulamentação atual, dá palestras sobre o assunto e incentiva pesquisas em torno do uso medicinal da cannabis.

 

Apepi

Fundada em 2014, no Rio de Janeiro, por Margarete Brito e Marcos Lins Langenbach, que entraram em contato com o potencial medicinal da planta quando descobriram que poderia controlar as convulsões de sua filha. Assim, criaram a APEPI, que promove o acesso ao uso medicinal da cannabis e dissemina informações para desmistificar a planta.  

 

ABRACE

A ABRACE tem a maior plantação de maconha legal do Brasil, além de ter laboratórios para a produção do medicamento de canabidiol — ela foi a primeira a conseguir essa autorização para cultivo no país. Além de oferecerem os medicamentos a preços mais acessíveis, a Abrace também oferece workshops com orientações para pacientes e médicos sobre o tema.

 

Cultive

Cidinha e Fabio são fundadores da Cultive e descobriram os benefícios medicinais da cannabis quando viram que poderia ser uma alternativa de tratamento para sua filha, que é acometida pela Síndrome de Dravet. Assim, criaram a Cultive, que realiza atividades educativas e pedagógicas para disseminar informações sobre a planta e tornar os medicamentos mais acessíveis. Hoje, essa associação tem um habeas corpus coletivo para 21 de seus associados poderem realizar o auto cultivo.

 

Santa Cannabis 

Com sede em São Paulo e Santa Catarina, a Santa Cannabis surgiu em 2019 depois de Pedro Sabaciauskis lutar por um tratamento à base de cannabis para a sua avó, acometida com Parkinson. Os bons resultados do tratamento o inspiraram a criar uma associação que pudesse ajudar outros amigos e famílias para ter acesso ao óleo medicinal e, hoje, auxilia esses pacientes, bem como pesquisa e divulga os benefícios da medicina canabinoide e atende famílias em situações de vulnerabilidade social e econômica.

 

Outras associações de cannabis medicinal brasileira

  • ACuCa
  • ABRA Cannabis
  • Cannab
  • Accura

 

Como fazer parte de uma associação de cannabis no Brasil?

É possível ser colaborador voluntário ou ser paciente beneficiado pelas associações. Caso você queira utilizar os óleos medicinais vendidos pela Abrace, por exemplo, é necessário consultar um profissional de saúde para obter uma prescrição médica para o uso, assim como na regulamentação da Anvisa. É, também, importante localizar uma associação que atenda em seu estado e, então, entrar em contato para entender todas as documentações essenciais para fazer parte.

Quer conhecer mais sobre o cenário atual do mercado de cannabis para fins medicinais no Brasil? Confira o último relatório da Kaya Mind.

Cadastre-se em nossa newsletter!

    Compartilhe essa informação!

    primeiro animal a ser tratado com cannabis

    Primeiro animal a ser tratado com cannabis

    O uso veterinário da cannabis tem se tornado uma pauta importante no meio canábico e na indústria pet, mas, na verdade, os animais de estimação já são tratados à base da planta há centenas de anos; conheça o histórico

    Leia Mais!

    Contato

      Deixe um comentário

      O seu endereço de e-mail não será publicado.