Cannabis e Transtorno do Espectro Autista (TEA): qual a relação?

Tempo de leitura: 4 min

Publicado em

Diversos estudos mostram que a cannabis pode atenuar sintomas do TEA e, ainda, melhorar a qualidade de vida dos pacientes acometidos; entenda

A compreensão das propriedades da cannabis e de seu funcionamento no sistema endocanabinoide possibilitou estudar e utilizar a planta para tratar diversas condições médicas, entre elas, o Transtorno do Espectro Autista (TEA). Seus fitocanabinoides podem oferecer benefícios medicinais importantes e cada um à sua maneira, além de poderem ser consumidos de diferentes formas a partir da regulamentação do mercado em diversos países. Neste texto, parte de uma série de publicações sobre a cannabis medicinal, você pode entender a relação entre a cannabis e o autismo, e o que as pesquisas dizem a respeito desse uso.

Como a cannabis pode tratar TEA?

Cientistas vêm investigando como a cannabis pode tratar o TEA e o que encontraram foram resultados promissores. Um estudo duplo-cego, realizado pelo Centro de Pesquisa de Cannabis Medicinal da UC-San Diego, na Califórnia, analisou a resposta de crianças com TEA que receberem canabidiol (CBD) ou placebo e muitos pacientes demonstraram uma melhora no quadro – confira esse relato de uma mãe que inscreveu seu filho para o ensaio clínico.

Segundo pesquisadores, acredita-se que pessoas acometidas com TEA têm um desequilíbrio no sistema de neurotransmissores que pode contribuir para os sintomas relacionados à sociabilidade, como a irritabilidade. O CBD, por outro lado, tem um papel importante nesse âmbito, pois interage com o sistema da serotonina, aumentando a disponibilidade desse hormônio e atenuando esses comportamentos.

Já outra análise, realizada pelo Centro de Autismo de Neguev, da Universidade Ben-Gurion do Neguev, em Berseba, Israel, mostrou que 30% dos pacientes com TEA estudados e tratados com óleo à base de cannabis, tanto com CBD quanto THC, relataram uma melhora significativa e 53,7%, uma melhora moderada. Apenas 15% não sentiram diferença no quadro com o tratamento. Os pontos de progresso analisados foram: melhora no humor, fazer atividades do dia a dia de forma independente e ajudaram no sono e concentração. Pode-se dizer, portanto, que a qualidade de vida desses pacientes aumentou.

Ainda, outros estudos apontam que os fitocanabinoides da cannabis são capazes de tratar condições correlacionadas com o TEA – uma delas, por exemplo, é a epilepsia, que atinge por volta de 30% das crianças diagnosticadas com TEA  e que, desde 1980, é alvo de diversas pesquisas que mostraram a eficácia da cannabis para o seu tratamento.

Riscos do consumo de produtos à base de cannabis para pessoas com TEA

Apesar de já existir um número considerável de estudos que buscam entender os efeitos de curto, médio e longo prazo do consumo de produtos à base de cannabis, a resposta ainda não é clara. Isso porque as doses desses produtos, mesmo que consumidos em larga escala, não são fatais, porém tomá-los regularmente pode ter efeitos de longo prazo. 

Epidiolex ou Sativex, um dos produtos com maior presença no mundo, já fez algumas pesquisas e ensaios clínicos e foi baseado neles que o FDA  (Food and Drug Administration) fez a advertência de que o consumo regular poderia causar enzimas hepáticas elevadas, o que pode ser um sinal de risco para alguns grupos. Importante ressaltar que essa advertência foi feita em especial para pessoas com epilepsia que faziam o uso conjunto do Epidiolex com um outro medicamento, mas ajuda no entendimento de que ainda existem muitos estudos a serem feitos.

O CBD não tem teores psicotrópicos e com baixíssimo a nenhum risco no consumo e, portanto, é uma alternativa segura para muitas pessoas que estão no Espectro Autista. Essa recomendação e indicação de uso, no entanto, precisam ser feitas por um profissional da saúde que tenha um entendimento dos outros medicamentos que são usados pelo paciente e do produto a ser indicado. Conheça aqui os médicos que prescrevem cannabis e como entrar em contato

O que é o TEA 

O TEA é um distúrbio do neurodesenvolvimento que afeta três principais âmbitos: interação social, comunicação e estereotipias, isto é, comportamentos repetitivos. Normalmente, os sintomas dessa condição médica, como os atrasos de desenvolvimento, são percebidos nos primeiros meses de vida da criança, mas o diagnóstico é feito a partir dos 2 anos de idade. Em sua maioria, o TEA acomete o sexo masculino e as evidências científicas apontram que é causado por uma junção de fatores genéticos e ambientais. 

Segundo uma publicação de 2020 do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), agência de Derpatamento de Saúde e Serviços Humanos nos Estados Unidos, por volta de 1 em 54 pessoas são acometidas com TEA e esse número vem crescendo – em 2004, por exemplo, 1 em cada 166 pessoas eram diagnosticadas com a doença. 

Em alguns casos de pacientes com TEA, utilizam-se medicamentos antipsicóticos, os quais podem causar efeitos colaterais graves, como desenvolvimento de diabetes e problemas cardiovasculares. Além disso, diversos tipos de terapia são comumente recomendados para o tratamento da doença, mas, até hoje, não existe uma cura concreta. 

Para realizar um tratamento à base de cannabis, é essencial procurar um profissional de saúde. No Brasil, além disso, deve-se buscar formas legais para importar os medicamentos, que você pode descobrir aqui. 

Este é o último texto da série de cannabis medicinal e condições médicas. Veja abaixo todos os textos publicados nas últimas semanas:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Não perca nossos conteúdos!

Se inscrevendo em nossa newsletter você fica sabendo de todas as novidades que rolam por aqui e recebe nossos relatórios e promoções em primeira mão!