Cannabis e religião: conheça a relação entre eles

Tempo de leitura: 3 min

Publicado em

A cannabis é uma planta milenar e foi utilizada durante anos por diversas religiões, como taoísmo, rastafari, hinduísmo e até cristianismo e judaísmo; entenda

Um dos registros mais antigos em torno da cannabis, datado de 2,5 mil anos atrás, é referente ao uso religioso. Cientistas encontraram vestígios da planta em vasos localizados na China e, em 2019, publicaram um artigo em que explicam que esses objetos indicavam o uso de maconha durante cerimônias religiosas, como nos casos de passagem dos mortos das comunidades. A relação entre cannabis e religião, portanto, é longínqua e nem sempre foi com base em preconceitos e proibições. A planta, inclusive, era – e ainda é, em alguns casos – parte de costumes religiosos e uma peça essencial para a espiritualidade, que faz parte da humanidade há séculos. Veja abaixo algumas religiões que, até hoje, têm uma relação estreita com a maconha.

Religião Rastafari e cannabis

cannabis e religião

A religião Rastafari, muito pregada na Jamaica, é uma das mais conhecidas em relação ao uso da cannabis para fins cerimoniais. Essa cultura é, principalmente, baseada no Antigo Testamento em que se incentivava o consumo de todas as ervas, incluindo a cannabis. Eles têm Jeová como Deus, o qual chamam de Jah.

O fumo de cannabis acontece apenas durante cerimônias, como em reuniões para aproximar os seguidores de Jah, e que normalmente são acompanhadas de música. Os rastafaris acreditam que a planta ajuda a induzir sentimentos de paz, amor, introspecção e auxilia na descoberta da divindade interior.

Hinduísmo e cannabis

O Hinduísmo é uma das religiões mais antigas do mundo. Nascida na Índia, ela tem como crenças chave a reencarnação, karma, a crença na alma e a libertação do ciclo do renascimento. Além disso, ela abraça a cannabis como uma oferenda e uma santidade desde 2000 a.C..

Os Vedas, textos sagrados dos hindus, descrevem que a maconha tem um anjo da guarda em suas folhas e que é “uma fonte de felicidade”. Na tradição da religião, ainda se utiliza a cannabis para diferentes preparações e rituais, como o Bhang, que é uma bebida psicoativa, feita de cannabis, leite e especiarias. Ela é muito consumida nas festividades hindus, como no Holi Festival (festival das cores) e na Shivratri (noite de Shiva), além de ser utilizado pela medicina Ayurveda, de origem hindu.

Taoísmo e cannabis

O taoísmo surgiu no século IV a.C., na China, e tem como principal pensamento: seguir o fluxo ou, de forma mais simples, “deixar rolar”. Os seguidores dessa religião querem viver com naturalidade, simplicidade e espontaneidade, pregando compaixão, humildade e frugalidade (ser econômico, poupador).

Para seguir essas crenças, utilizam a planta para atingir o equilíbrio entre tudo que existe no universo (yin e yang), além de misturá-la com substâncias para obter conhecimentos sobrenaturais e também infundi-la com vinho para tratar condições médicas.

Ainda, alguns seguidores também personificavam a cannabis como um Deus, a Ma Ku (Senhorita Cânhamo, em português), para quem realizavam um culto relacionado à imortalidade. Os textos sagrados taoístas também documentavam o uso da planta em incensos durante rituais.

Sufismo e cannabis

Apesar do islamismo considerar o uso de qualquer substância que intoxica um pecado,  como o álcool, uma de suas vertentes, o Sufismo, tem uma relação estreita com a cannabis. Essa religião, que se iniciou no século VII, buscava um contato individual com Deus e era considerada como uma resistência à ortodoxia que, muitas vezes, era pregada pelo islamismo.

Segundo historiadores, o santo sufi persa Qutb ad-Dīn Hayder conheceu a cannabis durante um passeio no ano 1115, e, após a experimentar, disseminou a ideia de que ela “dissiparia as sombras que tomavam conta de suas almas e iluminaria seus espíritos”. Assim, seus seguidores passaram a cultivá-la e a popularizou entre o mundo islâmico, chegando à Síria, Egito, Iraque etc.. Até hoje, a planta, mais especificamente o haxixe, faz parte das festividades sufis, mesmo que tenha sido perseguido ao longo dos anos e proibido.

Percepção atual da cannabis na religião

Apesar das religiões citadas ainda abraçarem o uso da cannabis, muitas outras crenças condenam seu uso, mesmo que ela já tenha feito parte de sua história também. O judaísmo, por exemplo, não é aberto ao uso recreativo da planta, mas descobriu-se que, na antiguidade, a utilizavam durante rituais religiosos – estudiosos encontraram maconha em um templo de 2,7 mil anos de idade no sítio arqueológico de Tel Arad, no centro de Israel.

O cristianismo também repudia o uso da erva e, inclusive, foi uma das grandes motivadoras para a guerra às drogas e o início do proibicionismo. Ainda assim, há indícios de que a cannabis foi mencionada na Bíblia e que Jesus e seus discípulos chegaram a utilizá-la.

Isso não significa que todos os praticantes dessas religiões são contra o uso recreativo da planta e nem que as crenças em si repudiem o uso medicinal – pelo contrário, muitas delas apoiam esse consumo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Não perca nossos conteúdos!

Se inscrevendo em nossa newsletter você fica sabendo de todas as novidades que rolam por aqui e recebe nossos relatórios e promoções em primeira mão!