Cannabis medicinal na Anvisa: dados da instituição e perfil dos pacientes

Escrito por

Escrito por

Lara Santos

Tempo de leitura: 3 min

Publicado em

Saiba mais sobre os pacientes de cannabis medicinal no Brasil, segundo os dados disponibilizados pela Anvisa

O Brasil vem passando por mudanças com relação a regulamentação da cannabis medicinal. Em 2020, a Kaya Mind surgiu com o objetivo de disseminar dados e informações para munir de conhecimento aqueles que são interessados no mercado da cannabis no Brasil, seja para adentrar nesses negócios ou apenas entender a situação atual da indústria no país. 

As leis brasileiras em torno da planta têm avançado, mas muito lentamente. O consumo recreativo continua proibido e criminalizado, encarcerando usuários a partir de perspectivas racistas e, portanto, sobrecarregando o sistema prisional brasileiro. No setor do cânhamo, usado para fins industriais, também não houve avanços. Por outro lado, a maconha medicinal conquistou um espaço significativo, porém ainda inacessível a muitos, depois da luta incessante de famílias e pacientes que queriam utilizar os benefícios da erva para tratar condições. 

Em 2015, por meio da RDC 17/2015, a Anvisa autorizou a importação de produtos à base de canabidiol (também conhecido como CBD, uma das substâncias da maconha) para o uso próprio de pessoas físicas com prescrição médica. 

Os avanços da liberação da cannabis medicinal no Brasil

Em dezembro de 2019, a aprovação da RDC 327/2019 permitiu que empresas interessadas em fabricar e comercializar medicamentos à base de cannabis nas farmácias brasileiras pudessem fazer solicitações à agência reguladora. Meses depois, a Anvisa revogou a resolução de 2015 e validou a RDC 335/2020, que facilitou o pedido de importação dos produtos, podendo ser feito apenas com prescrição médica. O formulário de solicitação foi modernizado, assim como o preenchimento do termo de responsabilidade, e a validade da autorização se estendeu para dois anos. 

Cannabis Medicinal dados anvisa

Ainda em 2020, a empresa Prati-Donaduzzi recebeu a primeira autorização para fabricar e comercializar produtos no Brasil. Outros medicamentos da mesma empresa foram aprovados pela Anvisa em fevereiro de 2021. Além do produto à base de canabidiol da Prati-Donaduzzi, também é possível encontrar o remédio Mevatyl nas farmácias brasileiras, um spray que ajuda no controle de espasmos musculares por conta da esclerose múltipla (EM), e que custa mais de R$ 2.500. 

Ainda que a Kaya Mind se proponha a oferecer pesquisas e compreensão sobre todas as áreas que envolvam a maconha, diante do progresso do segmento da cannabis medicinal e um aumento de interesse das pessoas acerca do tema, notou-se a importância de conscientização em relação ao acesso à planta com fins terapêuticos no Brasil. 

Por isso, neste eBook haverão dados sobre solicitações feitas à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para importar remédios derivados de maconha, sobre as importações realizadas, sobre os perfis dos prescritores e pacientes deste tipo de medicação, e sobre o passo a passo para adquirir esses produtos. A partir dessas informações, todas coletadas diretamente com a agência reguladora brasileira por meio da Lei de Acesso à Informação, você terá uma visão precisa e completa do cenário da cannabis medicinal no país e saberá de que forma atuar nesse setor. 

Passo a passo

Para ter acesso aos medicamentos derivados da cannabis, é necessário seguir um processo específico para estar de acordo com a regulamentação e iniciar um tratamento correto para o seu tipo de condição. 

  1. Consulte um médico 

De acordo com os dados coletados, são poucos os profissionais aptos e dedicados a prescrever produtos à base de maconha. Ainda assim, é muito importante realizar uma consulta com esses especialistas, pois são eles que fazem a avaliação correta e dão orientações específicas de como deve ser o tratamento. Além disso, eles escrevem as receitas necessárias para comprar a medicação ou realizar a solicitação de importação para a Anvisa. 

  1. Solicite à Anvisa

Caso os medicamentos prescritos pelo médico não sejam vendidos no Brasil, é necessário entrar com um pedido de importação à agência reguladora. Isso deve ser realizado por meio do Portal do Cidadão e são solicitados três documentos: receita do produto, RG e CPF, e comprovante de residência. A autorização dura dois anos, e a quantidade e a marca do produto são definidas pela prescrição médica.

  1. Compre o produto

Quando o processo, que demora de sete a 30 dias, for liberado, será possível fazer a compra do medicamento legalmente, seja de forma presencial ou online. 

Existe também a possibilidade de ter acesso aos produtos a partir de associações que receberam autorização para cultivar, fabricar e comercializar os medicamentos à base de cannabis no Brasil. Essa alternativa é uma forma de baratear o custo, já que a importação exige um gasto financeiro alto, inacessível para muitos. 
O auto cultivo também é uma opção mais barata, apesar de ser um processo mais complexo de obter liberação legal. É necessário entrar em contato com um advogado, verificar se todas as suas condições são aptas e, então, impetrar um habeas corpus para conseguir essa autorização.

Você pode fazer o download do e-book clicando aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

copa do mundo e cannabis
Lara Santos

Copa do Mundo e cannabis  

Em 2022, o evento acontece em um país com regras rígidas sobre o uso de cannabis. Entenda como as seleções favoritas se posicionam a respeito da planta e como os atletas poderiam se beneficiar se o uso de CBD fosse permitido

Leia mais

Não perca nossos conteúdos!

Se inscrevendo em nossa newsletter você fica sabendo de todas as novidades que rolam por aqui e recebe nossos relatórios e promoções em primeira mão!