Como a invasão russa na Ucrânia afetou uma das maiores empresas de cannabis do mundo

Tempo de leitura: 4 min

Publicado em

Após o ataque da Rússia, a Curaleaf, maior empresa de cannabis dos EUA e uma das maiores do mundo, teve suas ações impactadas negativamente por conta da disseminação de informações falsas sobre sua origem e seus vínculos

Depois da Rússia invadir a Ucrânia, no dia 24 de fevereiro, uma das maiores empresas de cannabis do mundo, a Curaleaf, teve uma queda abrupta em suas ações. A explicação? Usuários do Twitter e do Reddit começaram a disseminar informações falsas, dizendo que a companhia era de origem russa e que, por isso, poderia sofrer sanções dos Estados Unidos. 

Até então, o ataque russo já matou milhares de civis e soldados, causou deslocamento forçado de mais de 2 milhões de pessoas e desestabilizou a economia mundial. Para penalizar a Rússia pelos seus atos contrários aos direitos humanos, diversos países e empresas internacionais passaram a adotar sanções políticas e econômicas, como a suspensão de importação do petróleo proveniente da Rússia por parte dos EUA e a proibição de voos russos em espaços aéreos da União Europeia. Esse cenário movimentou significativamente o mercado de ações e a bolsa de valores, impactando negativamente diferentes indivíduos e empresas, além da economia de nações ao redor do mundo.

Impacto do conflito no mercado da cannabis

Por seu alto risco e grande volatilidade, as ações da indústria da cannabis são frequentemente afetadas por diversos motivos, mas a Curaleaf, em específico, teve seus preços afetados drasticamente após a invasão russa na Ucrânia – segundo uma reportagem da Forbes, sofreram uma queda de mais de 20%. 

A Curaleaf é uma empresa do mercado da cannabis com origem estadunidense, sediada em Wakefield, no estado de Massachusetts, e que tem um valor de mercado de cerca de U$ 7 bilhões, sendo assim considerada a maior do setor nos Estados Unidos e uma das maiores do mundo. Com presença em mais de 20 estados do país e no continente europeu, ela atua na produção e venda de cosméticos e produtos terapêuticos à base de cânhamo, óleos e outros derivados da cannabis para fins medicinais, e na criação de novas experiências para os usuários da planta. 

Seu fundador, Boris Jordan, nasceu nos Estados Unidos e o seu segundo maior investidor, Andrey Blokh, tem cidadania dupla (estadunidense e russa). Pelo fato de Jordan ter descendentes da Rússia e Ucrânia e Blokh ter essa ligação com o país governado por Vladimir Putin, usuários das redes sociais alegaram que a Curaleaf era associada à oligarcas russos e, portanto, seria vítima de sanções por parte dos Estados Unidos por conta do conflito. Essas especulações, no entanto, eram falsas, mas chegaram a prejudicar a performance das ações da empresa. 

Após a repercussão do caso na mídia, com Jordan concedendo entrevistas a portais como Forbes e Benzinga, e a divulgação de um esclarecimento formal no site da Curaleaf, a empresa já parece ter ultrapassado seu período mais crítico e vem se recuperando aos poucos. 

Ainda assim, em um contexto à parte do ataque russo, já era possível testemunhar uma queda no mercado da cannabis, o que refletiu na performance dos fundos de investimento brasileiros voltados para a indústria da planta. No Kaya Board, painel de dados sobre a cannabis da Kaya Mind, você pode encontrar as informações detalhadas sobre esse contexto. Abaixo, confira um recorte atual de uma das telas da ferramenta e como há uma desvalorização constante dos valores da carteira e quota de fundos brasileiros. 

De qualquer forma, é muito importante que, em momentos delicados e difíceis como esse vivenciado no continente europeu, as pessoas se atentem às fake news. Em situações de vulnerabilidade, isso acontece com frequência e vai muito além do caso da Curaleaf, podendo prejudicar vidas pessoais, negócios e até mesmo sociedades por inteiro. Por isso, sempre verifique a fonte e a veracidade das informações antes de passá-las para frente. 

Situação regulatória da cannabis na Rússia e Ucrânia

  • A Rússia já foi a maior exportadora de cânhamo do mundo e era produtora dessa matéria-prima desde os tempos pré-cristãos. Depois da proibição, em fevereiro de 2020, voltou a cultivar a planta, com até 0,1% de THC;
  • Durante a Copa do Mundo de 2018, a Rússia autorizou o uso medicinal de cannabis e outras substâncias psicotrópicas para torcedores que iriam comparecer ao evento. No entanto, o consumo terapêutico da cannabis é apenas permitido em raras exceções, o que torna o acesso para pacientes muito difícil.
  • O cultivo e uso de cânhamo industrial na Ucrânia é permitido, mas deve conter apenas 0,08% de THC. 
  • A Ucrânia tem uso medicinal proibido, mas um projeto de lei visando sua legalização foi apresentado pelo Gabinete de Ministros ao parlamento ucraniano em janeiro de 2022, e, aprovado, poderia ampliar o acesso desses produtos para diversos pacientes. Hoje, apenas algumas substâncias derivadas da cannabis são permitidas, como a nabilona e o dronabinol.
  • Em ambos os países, o uso adulto é proibido. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Não perca nossos conteúdos!

Se inscrevendo em nossa newsletter você fica sabendo de todas as novidades que rolam por aqui e recebe nossos relatórios e promoções em primeira mão!