Edibles de maconha: o que são e quais seus efeitos

Tempo de leitura: 7 minutos

Os edibles, ou comestíveis de cannabis, têm vantagens importantes em relação à redução de danos, pois se consome as propriedades terapêuticas da cannabis por ingestão e não fumo 

Você já deve ter ouvido falar em brisadeiro, brownie mágico, space cakes, manteiga de cannabis, pirulitos canábicos e outras delícias com maconha no meio. Mas enquanto muitas pessoas relacionam esses edibles ou comestíveis de maconha apenas a um momento de descontração e diversão, eles, na verdade, podem ser uma forma mais saudável de consumir as propriedades da cannabis – fitocanabinoides, terpenos, canaflavinas – e, ainda, obter suas vantagens medicinais de maneira segura e eficiente. 

Em regiões onde há regulamentação, esses produtos já viraram tendência e estão presentes em diversos formatos e sabores. Já, no Brasil, o acesso a esses edibles não é simples, porque a planta não tem cultivo regulamentado no país, mas não é impossível por conta da existência do mercado ilegal independente da proibição. 

 

O que são edibles? 

edibles comestíveis de cannabisEdibles nada mais são do que comidas que contêm maconha e seus fitocanabinoides, como THC e CBD, oferecendo propriedades psicotrópicas e medicinais. Eles não se resumem apenas aos doces conhecidos citados anteriormente, mas também a pratos complexos e comidas salgadas de todos os tipos que podem ser preparados com maconha. Existem, inclusive, restaurantes que são inteiramente voltados à culinária canábica e até séries de streamings que mostram esse tipo de gastronomia. 

No entanto, esses alimentos costumam ser preparados de uma forma específica, pois alguns efeitos da maconha só são proporcionados se a planta passa pela descarboxilação. Este é um processo de calor em que o THCA e o CBDA, formas ácidas e presentes na cannabis crua, se transformam em THC e CBD, respectivamente, oferecendo a sensação de “chapado” e propriedades terapêuticas da planta. 

A planta, portanto, deve ser colocada no forno ou preparada no fogo com alguma gordura (manteiga ou óleo), pois ela é lipossolúvel, ou seja, seus componentes se dissolvem em gorduras e não em água. Aqui, ensinamos como fazer manteiga com cannabis. 

 

Quais os efeitos dos comestíveis de maconha? 

Os efeitos dos edibles são semelhantes aos de outras formas de consumo, mas eles costumam demorar mais para “bater”, podem ser mais intensos e duram mais tempo. Isso porque o corpo leva mais tempo para digerir os componentes da planta, já que são processados no estômago e fígado, diferente do que acontece no fumo ou vaporização, em que são processados nos pulmões e na corrente sanguínea.  

fumar x comer x vaporizar

Por isso, para quem não é acostumado a consumir cannabis e até para quem não tem muita experiência com os comestíveis,

é muito importante ficar atento à dosagem e à quantidade de alimentos consumidos em um determinado período de tempo.

É recomendável ingerir os edibles aos poucos e esperar por volta de 2 horas até consumir outra porção, para obter os efeitos que deseja e entender a tolerância do seu organismo em relação à essas propriedades. No caso de uma ingestão excessiva e descontrolada, que normalmente ocorre quando acham que o alimento não está fazendo efeito, é possível que você experiencie sensações negativas, como paranoia e ansiedade.  

 

É melhor comer ou fumar maconha? 

Ingerir as propriedades da maconha é uma das formas mais saudáveis de fazer esse consumo. Em relação ao fumo, comer é menos prejudicial, pois não há fumaça, a qual pode impactar a boca, garganta e pulmões. Afinal, existem alguns malefícios relacionados ao uso de cannabis

Além disso, o efeito é mais duradouro e os sabores e cheiros da cannabis podem ser menos presentes ou mais disfarçados do que em outras formas de consumo, o que pode ser benéfico para pacientes ou usuários que não toleram esses aspectos da planta. Por esses motivos, em países regulamentados, muitos profissionais de saúde já sugerem essa forma farmacêutica em vez de óleos, fumo, vaporização e mais.  

Essas vantagens, no entanto, só podem ser aproveitadas caso a dosagem de maconha no alimento esteja correta, já que a dose excessiva pode causar uma bad trip. Se fizer edibles em casa, portanto, lembre-se de se certificar que a proporção de lipossolúvel para a quantidade da planta está adequada (no caso da manteiga, é recomendado o uso de 8 a 10 gramas de flores da maconha para 200 gramas de manteiga – se for prensado, a quantidade sugerida é de 20 gramas da erva para 100 gramas de manteiga.). A regulamentação do uso recreativo ou até medicinal de comestíveis de maconha é muito importante nesse sentido, pois os comércios com esses produtos à venda seriam especializados na questão de dosagem e haveria mais informação sobre o assunto disponível. 

Compartilhe essa informação!

Cadastre-se em nossa newsletter!

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Contato

      Deixe um comentário

      O seu endereço de e-mail não será publicado.