Cannabis e Cinema: qual a relação? 

Escrito por

Escrito por

Lara Santos

Tempo de leitura: 3 min

Publicado em

Desde 1936, a cannabis faz parte da história do cinema e vem influenciando, não só a criação de longas-metragens, como o mindset de toda uma sociedade

Por mais que tenha sido proibida por décadas, a cannabis tem influência importante em diversos âmbitos culturais. A planta tem uma relação importante com a sétima arte, por exemplo, pois sua criminalização nos Estados Unidos ocorreu durante o surgimento do cinema moderno e, por isso, se tornou tema de diversos filmes, sendo da maioria deles de forma pejorativa e por isso neste texto traremos a relação entre cannabis e cinema.

A cannabis é muito relacionada à besteiróis e personagens estereotipados, além de ser associada à outras drogas e à dependência química. Ela aparece com frequência também em longas que retratam um ambiente artístico e criativo, como a própria Hollywood, o universo da música e mais. Hoje, para trazer um lado mais real da planta, profissionais da sétima arte recorrem à documentários – existem muitos que abordam o tema da cannabis e que, inclusive, estão disponíveis em plataformas de streaming.

A cannabis no cinema de forma pejorativa

cannabis e cinema

Em 1936, surgiu uma das obras mais famosas do proibicionismo: “Reefer Madness”. Esse filme de ficção, com objetivo principal de mostrar os males do uso da cannabis, retratava eventos melodramáticos após alunos do ensino médio terem sido influenciados a fumar maconha. Ele foi originalmente financiado por um grupo da igreja, sob outro nome, mas depois se tornou um dos únicos retratos de Hollywood sobre a diferença entre as gerações Perdida (1883 – 1900) e Grandiosa (1901 – 1927). O longa, apesar de ter sido considerado um dos piores já realizados, ganhou ampla notoriedade na época e, principalmente, por volta de 1970.  

Esse não foi o único exemplo de filmes canábicos para incentivar o preconceito contra a maconha e enraizar o proibicionismo, mas surgiram muitas obras contra essa onda e que tinham como objetivo retratar a cannabis de forma mais positiva. A contra-cultura, inclusive, foi responsável pela maior aceitação da planta na sociedade. Assim como uma propaganda ruim pode influenciar as pessoas a acreditarem em algo, um filme pode mostrar o bom – e verdadeiro – lado da maconha.   

Nos anos de 1960, Hollywood passou a discutir o tema de maneiras diferentes. O longa “Sem Destino”, lançado em 1969, conta a história de dois motociclistas que viajam pelos EUA e explora assuntos como a queda do movimento hippie, o uso de drogas e o estilo de vida em comunidade. A maconha é representada positivamente pelo uso adulto e seus impactos. 

No entanto, na década de 1970, iniciou-se a guerra às drogas, declarada pelo ex-presidente estadunidense Richard Nixon, o que tornou a cannabis demonizada, mais uma vez. Ela, então, passou a ser abordada em filmes de comédia a partir de estereótipos escrachados dos usuários, como o famoso Cheech & Chong, e pelo ponto de vista da ilegalidade – longas sobre tráfico de drogas e prisão, por exemplo. Duas décadas mais tarde, em 1990, o cenário não tinha mudado muito: usuários de maconha eram retratados como drogados ou preguiçosos, como em O Grande Lebowski, dos irmãos Coen.   

A verdadeira mudança veio nos anos 2000, quando mais estudos surgiram a respeito dos benefícios da cannabis e países passaram a incorporá-la em suas regulamentações – o Canadá e a Holanda legalizaram seu uso medicinal logo no início do novo milênio. Isso não significa que os estereótipos foram deixados de lado no cinema, mas muitos longas passaram a retratar a maconha como uma oportunidade e o futuro. Em 2013, por exemplo, surgiu um dos primeiros documentários sobre a planta, chamado Weed, em que são apresentados bons argumentos a respeito da legalização. 

Filmes para assistir chapado

São inúmeras obras da sétima arte que abordam o tema da cannabis, que, inclusive, são conhecidas por serem bons filmes para assistir “chapado”. Além desses citados anteriormente, veja outros que podem entrar na sua lista:

1. Vício Inerente – Paul Thomas Anderson

Lançado em 2014, o filme se passa nos anos 1970, na Califórnia. A história é em torno de um detetive que investiga o desaparecimento de sua ex-namorada, que há pouco tinha pedido ajuda para encontrar seu atual amante.  O personagem principal, estrelado por Joaquin Phoenix, costuma lidar com seus casos por meio da fumaça de cigarros de maconha.

2. Segurando as pontas – David Gordon Green

Com estreia em 2008, o filme, mais conhecido pelo seu nome em inglês “Pineapple Express”, retrata o prazer do protagonista (Seth Rogen) por uma cepa rara de maconha que o fazem ser perseguido por um traficante perigoso e um policial corrupto. Como a maioria dos filmes em que Rogen participa, esse também é estrelado por James Franco.

3. Jovens Loucos e Rebeldes – Richard Linklater

Esse filme, de 1993, retrata a descoberta da maconha na adolescência no último dia de aula de uma escola nos anos de 1970. Esses veteranos acabam se metendo em festas, carros em alta velocidade e confusão.

Existem também séries que abordam o tema das drogas e da cannabis, bem como documentários que falam sobre maconha e trazem fatos históricos importantes para entender o cenário.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

copa do mundo e cannabis
Lara Santos

Copa do Mundo e cannabis  

Em 2022, o evento acontece em um país com regras rígidas sobre o uso de cannabis. Entenda como as seleções favoritas se posicionam a respeito da planta e como os atletas poderiam se beneficiar se o uso de CBD fosse permitido

Leia mais

Não perca nossos conteúdos!

Se inscrevendo em nossa newsletter você fica sabendo de todas as novidades que rolam por aqui e recebe nossos relatórios e promoções em primeira mão!