Análise SWOT: Ameaças à maconha no Brasil (e no mundo)

Tempo de leitura: 5 minutos

Entenda quais são os fatores de ameaça que podem colocar em risco o mercado da cannabis no Brasil e no mundo

Este é o último texto de uma sequência de postagens exclusivas voltadas à primeira análise SWOT pública do meio canábico em que abordaremos as ameaças à maconha. Na primeira publicação, explorou-se um pouco de quais são as principais características desse tipo de estudo e como classificar o que são fatores externos e internos, enquanto o segundo e terceiro texto abordaram os principais pontos positivos e negativos que essa indústria tem no Brasil. No quarto texto, discutiu-se algo que interessa muito a quem quer trabalhar com esse setor, que são as principais oportunidades do mercado da cannabis. 

Quando trata-se das ameaças dentro de uma análise SWOT, nos referimos a fatores que têm o potencial de prejudicar uma organização, ou no caso desta análise, que viriam a prejudicar o mercado ou setor como um todo. Por exemplo, uma seca é uma ameaça para uma fazenda de milho, pois pode destruir ou reduzir a produtividade da safra; no caso da cannabis e do cânhamo, fatores ambientais podem ser uma ameaça para cultivos outdoor.

analise swot ameaças à maconhaAinda dentro do tema ambiental, é importante lembrar que a cultura da cannabis é parecida com muitas das produções que já existem em zonas rurais e que poderia ser feita sem competir por espaço (onde há zonas ociosas) ou até mesmo ser complementar a uma produção atual, já que a planta se adapta a locais inóspitos e desnivelados. Porém, apesar da adaptabilidade da planta, ainda é uma novidade no país e em muitos outros lugares, o que torna o seu cultivo um fator de atenção (e não uma ameaça por si só), já que é preciso entender as finalidades da produção para entender a necessidade de um cuidado maior. 

Um bom exemplo é o cultivo de cannabis para usos medicinais. Como a planta será o principal insumo e ela tem a tendência de absorver tudo que está no solo, como materiais pesados e o uso de agrotóxicos e pesticidas, isso pode ser um risco e vir de outros lotes produtivos próximos a região do cultivo. 

Outros fatores já foram mencionados, pois se entrelaçam e quase se confundem dentro do conceito de interno e externo. No entanto, é importante lembrar que as maiores ameaças ao mercado da cannabis são as mesmas que fizeram com que a substância fosse proibida há quase cem anos e que ainda estão presentes na sociedade e no governo, como o conservadorismo, negacionismo, preconceito e racismo. 

Apesar de representarem uma possível desvantagem para o mercado da cannabis, muitos são fatores já conhecidos dentro do meio agrícola, afinal, as empresas que escolherem fazer o cultivo de uma cultura já têm exigências dependendo da finalidade do insumo.

 

Ameaças à maconha específicos para esse setor no Brasil

  • Ainda existe muita desinformação dentro da comunidade que defende a regulamentação da planta. Para quem não entende do assunto, alguns mitos podem ser extremamente generalizados e levam a conclusões falsas. Um deles é que a maconha queima neurônios, enquanto, na literatura atual, cientistas defendem que a mesma, na verdade, estimula um maior número de sinapses. Por isso, os embates científicos são um fator de ameaça para a aceitação de que ela tem propriedades terapêuticas
  • Por razões similares a desinformação, porém munidas de ativismo e militância, existem diversos debates entre os defensores da cannabis. Atualmente, é possível testemunhar isso com o Projeto de Lei 399/15, que parte do mercado é favorável e a outra não;
  • Nessa indústria, existe um fator parecido com o de muitas competitivas: a especulação e “corrida” de quem ganha mais e mais rápido. Ao considerar um novo setor, é compreensível que haja muitas pessoas ansiosas para fazer dinheiro de forma legal, mas a especulação contribui às grandes corporações, prejudica os pequenos produtores e a comunidade que já estava trabalhando ou atuando com esse tema anteriormente;
  • Globalização da cannabis: como colocar todos os países em acordo sobre essa planta? Já existem casos de pessoas que tiveram problemas em fronteiras internacionais por carregarem remédios derivados de cannabis, por necessidades médicas, que eram permitidos em seus países de origem, mas proibidos no destino. 
  • Nos países em que a maconha é legalizada em algum de seus usos, uma ameaça tem sido as regras bancárias e tributárias que ainda não estão bem desenhadas para a introdução desse mercado. Enquanto não houver um consenso, como um banco internacional pode desenhar uma estratégia para todos os países em que atua?

Embora a indústria da cannabis esteja crescendo e o uso da substância esteja se tornando mais aceito na sociedade, ela continuará a enfrentar muitos desafios que impedirão seu crescimento e dificultarão o sucesso dos investidores e empresas. É importante, para qualquer pessoa envolvida na indústria da cannabis, estar por dentro das leis em constante mudança e se colocar em uma posição facilmente adaptável a elas.

No entanto, apesar das muitas dificuldades e desafios que investir e empreender com esse setor pode oferecer, as oportunidades e perspectivas de crescimento nunca foram maiores e mais reais. Além da possibilidade de trabalhar com um mercado não saturado em que as regras ainda podem ser desenvolvidas e caminhos podem ser trilhados, existe também a vantagem de trabalhar com um setor que envolve uma carga de impacto econômico, social, cultural e racial enorme dentro do país. Fazer a diferença dentro desse setor é uma real possibilidade, desde que o executivo esteja disposto a aprender com as comunidades que já estudam e fazem o uso da planta, bem como com os cientistas, biólogos e acadêmicos que estudam suas propriedades e fazem novas descobertas em velocidade relevante.

Quer investir, empreender ou trabalhar com o mercado da cannabis no Brasil ou América Latina e não sabe como? Abaixo, veja algumas sugestões que podem te ajudar:

Ficou curioso para entender melhor o tamanho que esse mercado pode ter no Brasil? Sugerimos que confira o nosso último relatório: O Impacto Econômico da Cannabis no Brasil. Nele, você encontra o potencial tamanho do mercado da cannabis no país, o número de usuários que seriam impactados com a legalização, o potencial tributário que o Brasil tem e quais os principais indicadores que precisamos medir na hora de desenhar uma regulamentação da planta.

E com relação a essas ameaças à cannabis no Brasil, você concorda com eles ou acha que deixamos algo de fora?

Cadastre-se em nossa newsletter!

    Compartilhe essa informação!

    primeiro animal a ser tratado com cannabis

    Primeiro animal a ser tratado com cannabis

    O uso veterinário da cannabis tem se tornado uma pauta importante no meio canábico e na indústria pet, mas, na verdade, os animais de estimação já são tratados à base da planta há centenas de anos; conheça o histórico

    Leia Mais!

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Contato